27 de setembro de 2015

Salton Evidence Brut #winebar

Nome: Salton Evidence Brut
País: Brasil
Região: Tuiuty
Produtor: Salton

Uvas/Corte: Chardonnay e Pinot Noir
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Gentilmente nos presenteado pela vinícola no âmbito do projeto Winebar

Degustado em: 27 de setembro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Comida Thai

Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Gostoso, mas não o meu preferido. Bom para acompanhar sem compromissos um almoço de domingo, especialmente o primeiro almoço na varanda depois de longo inverno. No final deste dia fomos ao Rock in Rio. Eu realizei um sonho antigo, que era assistir a pelo menos um dia de festival. Escolhi a noite em que o A-ha faria show e não me arrependi. Mesmo com toda chuvarada que caiu na cidade do rock, foi uma experiência fantástica! Repetiria!

Comentário do Claudio
Com novo rótulo, o espumante Evidence da Salton se mostrou bastante agradável. Em boca, sabor intenso, acidez correta. Um espumante fácil de se beber, bem feito e de bom custo. Um espumante sem erro, versátil. Vale provar.

17 de setembro de 2015

Viagem ao Vale dos Vinhedos

A viagem ao Vale dos Vinhedos, realizada entre 17 e 20 de setembro, foi muito boa. Nem mesmo a chuva forte que nos acompanhou durante todo o período atrapalhou o passeio. Contamos com a companhia dos amigos Cristiano, Valdirene, Gilberto e Julia. Foram dias muito agradáveis, visitando vinícolas, comendo muito bem e provando vinhos excelentes.

O fim de semana prolongado começou ainda na quinta-feira com uma rápida passagem por Gramado. Como iríamos para a região de colonização italiana, optamos por um restaurante alemão neste primeiro dia. Escolhemos o Höppner, que apesar de ser meio caro serve uma comida saborosa. Eu matei a vontade de comer um Käsespätzle. Estava muito gostoso.

Passeamos então um pouco por Gramado e seguimos para Garibaldi, onde encontraríamos o seu Adolfo Lona. Cris e Val já estavam lá nos esperando. Seu Adolfo conseguiu até que a Val provasse alguns vinhos! Como sempre, fomos muito bem recebidos. Após provarmos os excelentes espumantes do seu Adolfo, fomos jantar no Primo Camilo. Comemos muito bem durante a viagem toda, mas este foi o meu jantar preferido. Provamos um franco com molho de morango acompanhado por risoto de ervas. Não vejo a hora de poder voltar lá.

Na sexta-feira, eu preferi ficar no hotel estudando, mas Claudio, Cris, Gilberto e Julia fizeram duas visitas na parte da manhã. Quando retornaram, fomos almoçar no restaurante Casa Madeira, que faz parte dos negócios da Casa Valduga. Nós ficamos hospedados ao lado, na Villa Valduga. Morgana e Jana nos receberam e responderam a todas as nossas perguntas. Comi codorna pela primeira vez na vida e uma comida com toque italiano de primeira. Em seguida, visitamos o Jardim Leopoldina, onde fizemos uma degustação de cervejas e de sorvetes. O lugar é lindo. Lembramos da Wine Run realizada em 2014. A chegada foi no campo de futebol ao lado do Jardim Leopoldina. À noite, só consegui comer uma sopinha de agnoline.

Na manhã de sábado eu tinha um compromisso na UCS. Nesse meio tempo, Cris, Claudio e Val visitaram Galópolis e a loja de bebidas Tumelero. O almoço foi no sempre bom Danúbio, restaurante bem tradicional de Caxias. Na parte da tarde voltamos à Luiz Argenta, em Flores da Cunha. O lugar é lindo e a vinícola é mesmo impressionante. Eu estava bem cansada nesse momento, mas ainda assim deu para aproveitar a visita e as informações nos passadas pela Silvia.

À noite, acompanhados ainda pela Eliane, pelo Luis e pela Zilá, comemoramos meu aniversário no Restaurante Maria Valduga. Os pratos estavam deliciosos. Para fazermos um brinde, bebemos o Blush, de que gosto muito. Depois seguimos com um pinot noir.


O encerramento destas miniférias foi com uma visita à Vinícola Salton. Fiquei impressionada com a estrutura. Fomos muito bem recebidos pelo Tiago, que explicou de maneira clara e completa o funcionamento da Salton e sobre os vinhos degustados. Provamos alguns dos melhores vinhos da Salton, como Desejo 2008, Septimus 2009, Lucia Canet e série Gerações (o espumante José Salton e o tinto Antonio Nini Valduga 2011). Voltamos felizes.

12 de setembro de 2015

Meia garrafa de um Saint-Émilion Grand Cru

Nome: Gravet-Rennaissance
Safra: 2010
País: França
Região: St. Emilion


Uvas/Corte: Merlot 65%, Cabernet Franc 35%
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça

Onde foi comprado: Free shop do belo Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris
Degustado em: 12 de setembro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Ossobuco com arroz
Com quem: Claudio e Rafaela


Impressões da Rafaela
Neste dia eu estava com vontade de beber um espumante, mas Claudio me convenceu a escolher um tinto. No final nem foi tão ruim assim. Foi um vinho delicioso, bom do jeito que eu espero que um vinho seja. Gostei muito. Neste dia eu estava me preparando para as provas de minha segunda graduação, que seriam na semana seguinte. Beber este vinho me trouxe ótimas lembranças de St. Émilion. De sobremesa ainda teve um icewine trazido do Canadá pela mãe do Claudio no ano anterior.



Comentário do Claudio
Um típico vinho francês feito com um corte bem equilibrado de Merlot e Cabernet Franc que resultou em um vinho elegante, de boa acidez, estilo velho mundo, feito para acomapanhar comida. Agradável final com sabores concentrados na boca. Um vinho que dá prazer em beber. Pena que era apenas uma meia garrafa. Depois ainda provamos uma pequena garrafinha de um delicioso Icewine canadense. Dois vinhos em doses pequenas mas cheio de sabores, acompanharam bem o jantar.




11 de setembro de 2015

Vinho que não precisa ser provado: Joffré Malbec 2014

Nome: Joffré
Safra: 2014
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: RJ Viñedos

Uva: Malbec
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: Traga, em Botafogo, Rio de Janeiro
Quando foi comprado e degustado em: 11 de setembro de 2015
Harmonizado com: Empanadas, provolone e pães
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Claudio voltou de Florianópolis tarde da noite de sexta-feira. Eu havia planejado conhecer um lugar novo. Escolhi o Traga, restaurante italiano aqui em Botafogo. Apesar dele estar cansado, topou pedir um vinho. Acabamos escolhendo pelo preço este Joffré. Ah, se arrependimento matasse. Nossa que vinho sem graça. O jantar não foi totalmente perdido porque as comidinhas estavam gostosas.

Comentário do Claudio
Este malbec argentino é um vinho básico, de entrada da vinícola. Um vinho muito frutado, doce, em um estilo que não me agradou. Um vinho sem personalidade de um produtor que já tinha provado outros bons vinhos. Foi bastante decepcionante, mas ao menos as comidas estavam excelentes.

6 de setembro de 2015

Sempre uma ótima escolha: Luna 2011 da Finca La Anita

Nome: Luna
Safra: 2011
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Finca La Anita

Uvas/Corte: Syrah 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: http://www.wine.com/
Quando foi comprado: Dezembro de 2013
Degustado em: 6 de setembro de 2015
Onde Bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Polpetone com arroz
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do produtor
Al igual que todos los vinos de Finca La Anita, Luna Syrah es vinificado a partir de uvas propias. Las de este Luna Syrah pertenecen al cuartel Nº 4 de nuestra Finca en Agrelo, Mendoza. Seis meses en barricas de roble francés tostado medio. De color purpura con matices azulados, este syrah presenta deliciosos aromas especiados, de sensación aterciopelada en boca, untuoso y elegante sin desmesura en su concentración. Tenemos la certeza de que nuestros amigos lo disfrutarán plenamente si lo beben joven, apreciando los matices que el reposo en maderas de roble francés nuevo le ha otorgado. También deparará sorpresas su evolución en la guarda. Servirlo fresco, 16 a 18ºC en copas amplias, ideal para acompañar comidas especiadas.

Impressões da Rafaela
Depois do almoço na casa da Marcela e do Mauro, onde comemos uma deliciosa feijoada, seguimos a esbornia em casa com polpetones da Voilà acompanhados de um arroz jasmim. Para acompanhar, este excelente vinho argentino. Eu nunca visitei a Finca La Anita e às vezes passamos anos sem beber vinhos de lá, mas tenho um carinho tão especial por esta vinícola. Ela me lembra os primeiros anos de Le Vin au Blog. Beber um Finca La Anita era motivo de festa, os vinhos eram guardados para comemorações. Sinto um pouco de falta desta época.

Comentários do Claudio
Gosto muito dos vinhos da vinícola Finca la Anita. Já bebemos alguns vinhos desta vinícola e todos sempre muito prazerosos. Este Luna também foi assim. Com uma bonita cor bordô escuro e vivo em boca se mostrou intenso e de boa estrutura. Claras notas achocolatadas e algo condimentado e depois de um tempo na taça o seu final ficou bem mais presente e gostoso. Um vinho que mostrou uma mistura bem agradável de notas de pimenta preta e leve notas doces. Vale muito provar este vinho e conhecer todo o portfolio desta vinícola.

3 de setembro de 2015

Finca La Linda - Malbec 2013

Nome: Finca La Linda
Safra: 2013
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Luigi Bosca

Uvas/Corte: Malbec 100%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: Restaurante Galetos em São Paulo
Quando foi compra: 3 de setembro de 2015
Com quem: Claudio, Gilberto e Oswaldo

Comentários do Claudio
Finca La Linda é um clássico vinho de entrada da vinícola Luigi Bosca. Bebemos algumas safras deste vinho, mas há algum tempo não bebia. Sempre confiável e bem feito, é um vinho para beber sem compromisso, não terá erro. Assim foi com este malbec da safra 2013. Para acompanhar o nosso galeto resolvi escolher esta garrafa que cumpriu bem seu papel.

1 de setembro de 2015

Vinhos portugueses no encontro mensal dos amigos da faculdade


Nome: Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo Reserva / Monte da Ravasqueira Vinha das Romãs
Safra: 2011 / 2012
País: Portugal
Região: Douro / Alentejo
Produtor: Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo / Monte da Ravasqueira

Uvas: Tinta Roriz, Tinta  Amarela, Tinto Cão, Touriga Nacional e vinha velha / Syrah e Touriga Franca
Teor alcoólico: 14,1% / 13%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado e bebido: Clube Paissandu, Rio de Janeiro
Quando foi comprado e degustado em: 1º de setembro de 2015
Com quem: Claudio, Miguel, Marcelo e Carlinhos

Comentário do Claudio
Sempre que o Marcelo vai para Portugal, ele volta com algumas garrafas de vinhos. Então em nosso encontro mensal dos colegas de faculdade, podemos provar vinhos diferentes. Nesta vez fomos até o Clube Paissandu e abrimos dois bons vinhos: um Alentejano, mais complexo e interessante, o preferido da noite; e um ótimo vinho do Douro. Perfeito para acompanhar o papo e a noite agradáveis.