8 de abril de 2017

Uma taça de espumante em Esslingen am Neckar

Esslingen am Neckar fica ao ladinho de Stuttgart. Menor, mais charmosa.

Antes mesmo de descer do S-Bahn na pequena estação central já se avistam as colinas repletas de vinhedos. O dia escolhido para o passeio não poderia ter sido melhor. Céu azul, temperatura primaveril.

Sábado é sempre um dia animado na região central das cidades alemãs. Dia clássico de feiras de rua, de pessoas andando despreocupadas, aproveitando o dia livre. Especialmente agora que já está mais quente, cerca de 20 graus, todo mundo vai pra rua e para os parques.

Como planejado, desci do trem e caminhei até o praça do mercado. Os feirantes faziam as últimas ofertas. Eu não pretendia comprar nada, mas caminhar pelo ambiente animado de uma feira, entre frutas, flores e verduras frescas e bonitas, sempre me deixa feliz. 

Percebi várias pessoas com taças de vinhos e espumante - normalmente há uma banca que vende vinhos nas feiras. Vi Kessler em algumas delas. A marca me remeteu a um texto lido dias atrás sobre a produtora de espumantes mais antiga da Alemanha ficar em Esslingen. A Kessler foi fundada em 1º de junho de 1826 por Georg Christian von Kessler, que no começo do século XIX trabalhou na Veuve Clicquot, em Reims, Champagne. Vinhos, vale ressaltar, fazem parte da cultura da região de Stuttgart desde a Idade Média. 

Os prédios bem característicos pertencem todos à Kessler
Em seguida meu olhar bateu em um grupo ainda maior, com taças de espumante, parado à frente de um portão. Curiosa, fui lá espiar o que havia atrás daquelas portas pesadas. Muitas outras pessoas, mesas decoradas com vasos de flores, ombrelones, uma barraca com venda de Flammkuchen (uma espécie de pizza originária da Alsácia) e um grande balcão com várias garrafas de espumantes. Não havia dúvida que esta seria minha primeira parada. :)

Comprei uma taça de Kessler Rosé Brut, um Flammkuchen e encontrei um cantinho numa das mesas para poder aproveitar meu momento. Foi ótimo.

Havia lido que era possível caminhar entre os vinhedos. Sim, há (pelo menos) duas possibilidades: uma trilha que se inicia na igreja Frauenkirche e outra que leva ao Esslinger Burg, o que sobrou de uma construção medieval. Dos dois pontos é possível avistar a cidade, por assim dizer, pelo ponto de vista dos vinhedos. Achei o passeio no Esslinger Burg mais bonito, especialmente porque há uma sinalização melhor sobre as videiras, que nesta época apresentam seus primeiros brotos. É possível subir por entre as plantações ou por uma escadaria coberta. A beleza do parque e da vista compensam o esforço.

Além disso, descobri depois: ao longo do ano, os produtores da cidade organizam algumas atividades. Pretendo voltar!
O "quintal" da Kessler

Acompanhando o sol

As pessoas compravam a bebida no "quintal" e vinham atrás do sol


Um das entradas da vinícola

Programa de sábado :)

Vista de dentro para fora

Cada taça custa, em média, 4 euros

A minha Kessler Rosé Brut. Aprovada!

A vista da trilha iniciada na Frauenkirche

Sinalização da subida para o Esslinger Burg

A subida é dura, mas compensa

Adicionar legenda

Escadaria coberta

A escadaria vista de dentro

Depois da subida, o descanso

5 de abril de 2017

Estamos lá no Instagram

O Le Vin au Blog anda meio lento por aqui, mas no Instagram estamos mais ativos.
Confere lá o que andamos provando: @le_vin_au_blog. ;)

9 de fevereiro de 2017

Achaval Ferrer Special Blends

Nome: Achaval Ferrer Special Blends
Safra: 2011
País: Argentina
Região: Mendoza, Lujan de Cuyo
Produtor: Achaval Ferrer

Uvas/Corte: Malbec 70% e cabernet franc 30%
Teor alcoólico: 14,7%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Na Itália
Degustado em: 9 de fevereiro de 2017
Onde Bebeu: Madero Restaurante, no Rio Design Leblon, Rio de Janeiro
Harmonizado com: Linguicinha com farofa, chimichurri e pão Madero, hambúrguer Madero e fetucine ao molho vermelho
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Este jantar foi meio de despedida, pois irei passar um semestre na Alemanha. Escolhemos o Madero pois lá não há cobrança de taxa de rolha, além de gostarmos da comida. Claudio, como sempre, me deu várias opções de vinhos. Quando mostrou esse Achaval Ferrer, eu logo falei que era esse mesmo que eu queria, deixando de lado um italiano e um francês. A vida é feita de escolhas. :) É um excelente vinho, como todos os outros que provei desta vinícola.

4 de fevereiro de 2017

Fim de semana de vinhos amadurecidos

Nome: Quarenta / Amarone della Valpolicella Benedetti / Pillitteri Icewine / Jackson-Triggs Icewine
Safra: - / 2006 / 2014 / 2014
País: Brasil / Itália / Canadá / Canadá
Região: Garibaldi / S. Ambrogio di Valpolicella / Niagara-on-the-Lake
Produtor: Adolfo Lona / Cantina Benedetti / Pillitteri Estates Winery  / Jackson-Triggs

Uvas/Corte: Pinot noir e chardonnay / Corvina, veronese, corvinode e rondinella / Gewürtztraminer / Gewürtztraminer
Teor alcoólico: 12% / 16% / 11% / 9,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Diretamente com o sr. Adolfo Lona / Gentilmente oferecido pelo Diário de Baco lojinha em Niagara-on-the-Lake
Degustado em: 4 de fevereiro de 2017
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Bruschetta e lombo de porco com farofa e batatas assadas
Com quem: Claudio, Rafaela, Alexandre, Vanessa e Luiza

Impressões da Rafaela
Já que a praia não fez assim tanto sucesso com a Luiza, começamos nosso dia com café da manhã no Da Casa da Táta. Depois fomos para o parquinho da Praça Claudio Coutinho no Leblon, que foi realmente uma escolha acertada. Luiza adorou. O dia esquentou um pouco. Havia começado nublado, mas ao meio-dia estava com o céu aberto. Ao invés de irmos para um quiosque na praia, partimos para o Chico e Alaíde, sempre uma boa escolha. As escolhas do Alexandre foram bem acertadas. Já que não rolou uma praia, decidimos espantar o calor na piscina do prédio, onde também há alguns brinquedos. O jantar começou bem cedo nesta noite. Até para compensar a noite anterior, quando ficamos conversando até as 2h15, o que nos deixou um pouco lesados no dia seguinte. Começamos com um já amadurecido espumante do meu aniversário e depois experimentamos este Amarone. O fim de semana foi de vinhos já amadurecidos. Para terminar, abrimos dois icewines que eu havia trazido do Canadá. Foram excelentes para acompanhar um cheesecake de goiabada. Saudades desses amigos queridos.

3 de fevereiro de 2017

Alemães, uruguaio e acepipes

Nome: Schloss Johanisberger / Dr. von Bassermann-Fordan / Abraxas
Safra: 2014 / 2015 / 2002
País: Alemanha/ Alemanha / Uruguai
Região: Rheingau / Pfalz  / Rocha - Lomas de La Paloma
Produtor: Fürst von Metternich / Bassermann-Fordan / Domínio Cassis

Uvas/Corte: Riesling / Riesling / Tannat
Teor alcoólico: 12% / 11% / 14%
Rolha: Cortiça / Rosca / Cortiça
Onde foi comprado: Aeroporto de Frankfurt Mercadinho em Punta del Este
Degustado em: 3 de fevereiro de 2017
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pão caseiro, queijo, pesto, tomatinhos
Com quem: Claudio, Rafaela, Alexandre, Vanessa e Luiza

Impressões da Rafaela
Para nossa alegria, Alexandre e Vanessa vieram no visitar e trouxeram a Luiza. Nem bem ela chegou, falou que queria ir à praia (sua primeira experiência com o mar). Depois de uma paradinha em casa, fomos para a Praia Vermelha, a mais perto de casa e também bastante tranquila. A praia não era bem o que a Luiza esperava. :) Mesmo assim foi uma boa maneira de começar o fim de semana no Rio, sentados à beira-mar, com uma brisa fresquinha naquele dia bem quente. Antes de voltarmos para casa, passamos no Hocus Pocus DNA para Alexandre e Van conhecerem. O jantar começou com um alemão muito bom. O vinho seguinte seria o Abraxas, mas Vanessa e eu resolvemos que ele estava velho demais para nosso gosto. Então abrimos um outro alemão, com uma pegada diferente, levemente adocicado, mas também muito bom.

2 de fevereiro de 2017

Um excelente Brunello di Montalcino

Nome: Fuligni Brunello di Montalcino
Safra: 2007
País: Itália
Região: Montalcino
Produtor: Eredi Fuligni

Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Na Itália
Degustado em: 2 de fevereiro de 2017
Onde Bebeu: Domenica Pizzaria Artesanal, no Humaitá, Rio de Janeiro
Harmonizado com: Pizza pesto e pizza quatro queijos
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Bateu uma vontade de comer pizza e decidimos ir à nova pizzaria do bairro, a Domenica. Já estivemos lá outras vezes, achamos a taxa de rolha ok, então decidimos voltar. As pizzas estavam boas, como sempre. Para harmonizar levamos este excelente Brunello de Montalcino. Aproveitamos para fazer um brinde ao fim de uma etapa da minha vida. Pedi demissão do meu emprego e este foi meu último dia de trabalho.

13 de janeiro de 2017

Sozo - Merlot 2009

Nome: Sozo Merlot
Safra: 2009
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra - Monte Alegre dos Campos
Produtor: José Sozo Vinhos

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 4900/2769
Preço: Gentilmente presenteado ao Claudio pelo Cuco e pela Ju
Degustado em: 13 de janeiro de 2017
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Empanadas do Pablo
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Vinho bem saboroso, nos presenteado pelo Cuco, marido da amiga Juliana, minha colega do final do ensino fundamental. Quando eles vieram para o meu aniversário, além do belo presente que ganhei, trouxeram este vinho de Vacaria. Hoje o dia começou meio tenso, esperando a autorização da Unimed Rio para fazer um exame que estava precisando muito. Depois de muitas ligações e de passar quase meia hora ao telefone - com o detalhe de estarem faltando pouco mais de duas horas para o exame -, finalmente o procedimento foi liberado. Aproveitei que estava no Leblon e que Botafogo estava debaixo d'água (literalmente no caso da esquina aqui de casa) e fui almoçar no Nam Thai, tailandês de que gosto bastante. Na volta segui lendo meus romances água com açúcar, ideais para esvaziar a cabeça tão cheia de preocupações.

10 de janeiro de 2017

Albariño da Bouza: mesmo já com anos de vida, ainda um ótimo vinho

Nome: Bouza Albariño
Safra: 2013
País: Uruguai
Região: Montevidéu
Produtor: Vinícola Bouza

Uvas/Corte: Albariño 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Mercadinho em Punta del Este
Quando foi comprado: Dezembro de 2015
Degustado em: 10 de janeiro de 2017
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Massa caseira com sálvia e manteiga
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
Este vinho mostrou o quanto o tempo pode mesmo transformar um vinho. Estamos acostumados a beber Albariños "recém-colhidos", do mesmo ano ou do máximo de dois anos atrás. Nesse caso, meio que esquecemos que tínhamos este 2013. Claudio achava que fosse um 2015 comprado na última viagem. Resolvemos então abri-lo para ver como estava. Perdeu aquele frescor característico e a que estamos acostumados, mas ao mesmo tempo se transformou em um vinho mais denso, mais encorpado. Ficou diferente, perdeu um pouco o brilho, mas ainda assim não fez feio. Ele acompanhou uma massa bem simples de fazer, com molho de sálvia e manteiga. Simples de fazer, mas especialmente saborosa.

7 de janeiro de 2017

Erasmo 2007

Nome: Erasmo
Safra: 2007
País: Chile
Região: Maule Valley
Produtor: Francesco Marone Cinzano, da italiana Col d'Orcia

Uvas/Corte: Cabernet sauvignon, merlot e cabernet franc
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Comprado na: Wine.com
Degustado em: 7 de janeiro de 2017
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Massa caseira com pesto trazido em viagem Oil&Vinegar
Com quem: Claudio e Rafaela

Impressões da Rafaela
De início não gostei muito deste vinho, mas com a comida foi ficando mais amigável. Hoje foi mais um dia de calorão no Rio de Janeiro, aproveitamos a piscina do prédio e começamos o planejamento para a viagem a Amsterdã. Claudio preparou a massa e resolvemos usar um vidrinho de pesto que tínhamos em casa. Parecia tão pequeno, mas acompanhou bem 200g de massa. Ficamos impressionados, especialmente com o cheiro de gás exalado do pesto aromatizado por trufas. 

6 de janeiro de 2017

Para espantar o calor, nada melhor do que champagne

Nome: Taittinger Brut
País: França
Região: Reims, Champagne
Produtor: Taittinger

Uvas/Corte: Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier
Teor alcoólico: 12%
Rolha: Cortiça
Onde foi comprado: Freeshop do Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris
Quando foi comprado: Maio de 2014
Preço: 32,30 euros
Degustado em: 6 de janeiro de 2017
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com: Empanadas do Pablo
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
The brilliant body is golden yellow in colour. The bubbles are fine, while the foam is discreet yet lingering. The nose, very open and expressive, delivers aromas of fruit and brioche. It also gives off the fragrance of peach, white flowers (hawthorn, acacia) and vanilla pod. The entry onto the palate is lively, fresh and in total harmony. This is a delicate wine with flavours of fresh fruit and honey.Taittinger Brut Réserve, which acquires its maturity during three and four years ageing in the cellar, offers excellent aromatic potential.

Impressões da Rafaela
Comecei o dia com uma consulta na oftalmologista no Leblon e as pupilas dilatadas. Apesar de tantos anos usando óculos, não me lembro de ter passado tanto trabalho na volta para casa depois de uma consulta. Minha nossa! Que sofrimento andar em um dia claro sobre pedras portuguesas reluzentes. Com muito custo cheguei em casa, apenas para perceber que não havia levado minha chave e que o Claudio não estava em casa. Saímos juntos de manhã, ele fechou a porta e eu nem pensei em chave naquele momento. Depois de quase duas horas, ele veio da Barra para me entregar a chave dele. Nem tudo está perdido neste mundo. Para terminaro dia um pouco melhor, compramos empanadas do Pablo e abrimos um champagne para harmonizar. A vida ainda pode ser um pouco bela.