8 de abril de 2017

Uma taça de espumante em Esslingen am Neckar

Esslingen am Neckar fica ao ladinho de Stuttgart. Menor, mais charmosa.

Antes mesmo de descer do S-Bahn na pequena estação central já se avistam as colinas repletas de vinhedos. O dia escolhido para o passeio não poderia ter sido melhor. Céu azul, temperatura primaveril.

Sábado é sempre um dia animado na região central das cidades alemãs. Dia clássico de feiras de rua, de pessoas andando despreocupadas, aproveitando o dia livre. Especialmente agora que já está mais quente, cerca de 20 graus, todo mundo vai pra rua e para os parques.

Como planejado, desci do trem e caminhei até o praça do mercado. Os feirantes faziam as últimas ofertas. Eu não pretendia comprar nada, mas caminhar pelo ambiente animado de uma feira, entre frutas, flores e verduras frescas e bonitas, sempre me deixa feliz. 

Percebi várias pessoas com taças de vinhos e espumante - normalmente há uma banca que vende vinhos nas feiras. Vi Kessler em algumas delas. A marca me remeteu a um texto lido dias atrás sobre a produtora de espumantes mais antiga da Alemanha ficar em Esslingen. A Kessler foi fundada em 1º de junho de 1826 por Georg Christian von Kessler, que no começo do século XIX trabalhou na Veuve Clicquot, em Reims, Champagne. Vinhos, vale ressaltar, fazem parte da cultura da região de Stuttgart desde a Idade Média. 

Os prédios bem característicos pertencem todos à Kessler
Em seguida meu olhar bateu em um grupo ainda maior, com taças de espumante, parado à frente de um portão. Curiosa, fui lá espiar o que havia atrás daquelas portas pesadas. Muitas outras pessoas, mesas decoradas com vasos de flores, ombrelones, uma barraca com venda de Flammkuchen (uma espécie de pizza originária da Alsácia) e um grande balcão com várias garrafas de espumantes. Não havia dúvida que esta seria minha primeira parada. :)

Comprei uma taça de Kessler Rosé Brut, um Flammkuchen e encontrei um cantinho numa das mesas para poder aproveitar meu momento. Foi ótimo.

Havia lido que era possível caminhar entre os vinhedos. Sim, há (pelo menos) duas possibilidades: uma trilha que se inicia na igreja Frauenkirche e outra que leva ao Esslinger Burg, o que sobrou de uma construção medieval. Dos dois pontos é possível avistar a cidade, por assim dizer, pelo ponto de vista dos vinhedos. Achei o passeio no Esslinger Burg mais bonito, especialmente porque há uma sinalização melhor sobre as videiras, que nesta época apresentam seus primeiros brotos. É possível subir por entre as plantações ou por uma escadaria coberta. A beleza do parque e da vista compensam o esforço.

Além disso, descobri depois: ao longo do ano, os produtores da cidade organizam algumas atividades. Pretendo voltar!
O "quintal" da Kessler

Acompanhando o sol

As pessoas compravam a bebida no "quintal" e vinham atrás do sol


Um das entradas da vinícola

Programa de sábado :)

Vista de dentro para fora

Cada taça custa, em média, 4 euros

A minha Kessler Rosé Brut. Aprovada!

A vista da trilha iniciada na Frauenkirche

Sinalização da subida para o Esslinger Burg

A subida é dura, mas compensa

Adicionar legenda

Escadaria coberta

A escadaria vista de dentro

Depois da subida, o descanso

5 de abril de 2017

Estamos lá no Instagram

O Le Vin au Blog anda meio lento por aqui, mas no Instagram estamos mais ativos.
Confere lá o que andamos provando: @le_vin_au_blog. ;)